segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Crônica da Cidade

imagem: Graça Loureiro


Procurei me esconder do drama
mas ele atravessou as paredes da minha casa
e me encontrou parada,
diante do espelho
com um certo constrangimento
como se envelhecer fosse pecado.

Como é, me digam, a nova mulher do meu marido?
Será possível que meu drama não perturba essa cidade?
Será que todos continuam suas tarefas
alheios e indiferentes?
os automóveis, as pessoas, os ruídos.
Será que é preciso que eu me exponha
a gritar desesperadamente pela janela
pra que alguém ouça minha história?
Mas que importância tem a minha história
o que ela tem de extraordinário, de incomum
se temos todas nós a mesma história pra contar.


Bruna Lombardi