quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Soneto XXVII


imagem:  marc philbert


Cansado de lutar corro ao meu leito
para o repouso a que meu corpo aspira
mas minha mente, à hora em que me deito
trabalha em mim, quando o trabalho expira.

Pois já meus pensamentos bem despertos
correm, ciumentos para a tua busca,
e conservo os meus olhos bem abertos
olhando a escuridão que o cego ofusca.

Minh'alma em sonho vê tua figura
que, como se essa sombra me cegasse
- jóia brilhando sobre a noite escura

faz bela a noite e nova a sua face.
Assim de dia o corpo e à noite a alma
por ti, como por mim, não acha calma.


William Shakespeare
Tradução de Anna Amélia de Queiroz Carneiro de Mendonça