quarta-feira, 28 de março de 2012

Em cada sílaba te escrevo




Em cada sílaba te escrevo,
porque há ventos que amam
a praia e as nossas asas,
teimam em voltar galopantes
de onde nunca partiram.
Toco a areia e não me sinto só;
as rendas das ondas
enfeitam-me os cabelos,
prolongam as algas.
Sou água, areia, tu o búzio das marés.
Sabes, adivinhas,
escutas, silencias.
Por isso o nosso toque
não é breve nem sem gosto,
por isso há rios que
se abrem apenas
porque os momentos
se prolongam e entardecem os corpos.


Sophia de Mello Breyner Andresen