quinta-feira, 10 de maio de 2012

Jardim / Jardin

imagem: Diana-Melnikova


Há em meu jardim rosas que desfolham
um coração aberto ao descampado.

Assim é a flor,
sua nudez é magia.
Peço à rosa me guarde,
na fragilidade, dons secretos

e o espinho me conceda a humildade
e suas mãos precisas.


Peço um teto que não tape, que lembre

o céu
e uma cidade que é sempre nova

porque não esgota seus caminhos,
e peço ao rio seu fluir,

sua morte ao instante

que também é voo.

***

JARDIN

Hay en mi jardín rosas que deshojan
un corazón abierto al descampado.
Así es la flor,
su desnudez es magia.
Le pido a la rosa me guarde,
en la fragilidad, secretos dones
y a la espina me otorgue la humildad
y sus manos precisas.

Pido un techo que no tape, que recuerde


al cielo

y una ciudad que es nueva siempre
porque no agota sus caminos,
y le pido al río su fluir,
su muerte en el instante
que también es vuelo.


Verônica Volkow
Tradução: Antonio Miranda