sábado, 12 de maio de 2012

Poema quebrado

imagem: rob hefferan


Eu era apenas rio
Esperando que você navegasse
Poema quebrado no frio
Num salão vazio
Esperando que você recitasse.
Eu era manhã cinzenta
Esperando de você a aurora
Um lobo de olhar em brasa
Te vendo em casa
(e o lobo do lado de fora).
E Eu era, quem diria
A melodia que jamais compusera
E Eu, que jamais daria
Era o verbo dar
Dizendo assim: quem dera!
Então não vá embora
Agora que Eu posso dizer
Eu já era o que sou agora
Mas agora gosto de ser.


Oswaldo Montenegro