quarta-feira, 13 de junho de 2012

Arco-íris

Ramneek Narang


Se as cores com que o céu
tão bem te pinta,
correrem paralelas
num arco de água e luz,
separarei as mais lindas
para melhor entender
o que há em ti que me fascina.
Mais que tudo aparecem
os teus cabelos que o vento
penteia com seus dedos
de carinho invisível,
cabelos cor do tesouro
que está aos pés do arco-íris.
Depois, a cor de lavanda nos
teus olhos, que são também
azul-turquesa como o
mergulho de alegria que
se dá no mar quando faz sol.
A cor dos lábios é vermelha,
mas que sabor eles têm?
O do morango que acompanha
as manhãs claras de inverno?
O da cereja, coração que brilha
nos dias que antecedem o Natal?
Ou o da framboesa, que a gente
encontra por acaso,
no meio do mato,
durante um passeio para
ver o devaneio dos pássaros
ou o bailado das fadas
no veludo das flores?


Álvaro Bastos