terça-feira, 19 de junho de 2012

The Winner Stands Alone : Chapter I - Paulo Coelho

Fabrizio R.

3:17 AM

The Beretta Px4 compact pistol is slightly larger than a mobile phone, weighs around 700 grams and can fire ten shots. Small, light, invisible when carried in a pocket, its small calibre has one enormous advantage: instead of passing through the victim’s body, the bullet hits bones and smashes everything in its path.

Obviously the chances of surviving a shot of that calibre are fairly high; there are thousands of cases in which no vital artery was severed and the victim had time to react and disarm his attacker. However, if the person firing the pistol is experienced enough, he can opt either for a quick death – by aiming at the point between the eyes or at the heart – or a slower one – by placing the barrel at a certain angle close to the ribs and squeezing the trigger. The person shot takes a while to realise that he has been mortally wounded and tries to fight back, run away or call for help. The great advantage of this is that the victim has time to see his killer’s face, while his strength ebbs slowly away and he falls to the ground, with little external loss of blood, still not fully understanding why this is happening to him.

It is far from being the ideal weapon for experts. ‘Nice and light – in a lady’s handbag. No stopping power though,’ someone in the British Secret Service tells James Bond in the first film in the series, meanwhile confiscating Bond’s old pistol and handing him a new model. However, that advice applied only to professionals, and for what he now had in mind it was perfect.

He had bought the Beretta on the black market so that it would be impossible to trace. There are five bullets in the magazine, although he intends to use only one, the tip of which he has marked with an ‘X’, using a nail file. That way, when it’s fired and hits something solid, it will break into four pieces.

He will only use the Beretta as a last resort. There are other ways of extinguishing a world, of destroying a universe, and she will probably understand the message as soon as the first victim is found. She will know that he did it in the name of love, and that he feels no resentment, but will take her back and ask no questions about her life during these past two years.

He hopes that six months of careful planning will produce results, but he will only know for sure tomorrow morning. His plan is to allow the Furies, those ancient figures from Greek mythology, to descend on their black wings to that blue-and-white landscape full of diamonds, botox and high-speed cars of no use to anyone because they carry only two passengers. With the little artifacts he has brought with him, all those dreams of power, success, fame and money could be punctured in an instant.

He could have gone up to his room because the scene he had been waiting to witness occurred at 11.11 p.m., although he would have been prepared to wait for even longer. The man and his beautiful companion arrived – both of them in full evening dress – for yet another of those gala events that take place each night after every important supper, and which attracted more people than any film première at the Festival.

Igor ignored the woman. He shielded his face behind a French newspaper (a Russian newspaper would have aroused suspicions) so that she wouldn’t see him. An unnecessary precaution: like all women who feel themselves to be queen of the world, she never looked at anyone else. Such women are there in order to shine and always avoid looking at what other people are wearing because, even if their own clothes and accessories have cost them a fortune, the number of diamonds or a particularly exclusive outfit worn by someone else might make them feel depressed or bad-tempered or inferior.

Her elegant, silver-haired companion went over to the bar and ordered champagne, a necessary aperitif for a night that promised new contacts, good music and a fine view of the beach and the yachts moored in the harbour.

He noticed how extremely polite the man was, thanking the waitress when she brought their drinks and giving her a large tip.

The three of them knew each other. Igor felt a great wave of happiness as the adrenaline began to mingle with his blood. The following day he would make her fully aware of his presence there and, at some point, they would meet.

God alone knew what would come of that meeting. Igor, an orthodox Catholic, had made a promise and sworn an oath in a church in Moscow before the relics of St Mary Magdalene (which were in the Russian capital for a week, so that the faithful could worship them). He had queued for nearly five hours and, when he finally saw them, had felt sure that the whole thing was something dreamed up by the priests. He did not, however, want to run the risk of breaking his word, and so he had asked for her protection and help in achieving his goal without too much sacrifice. And he had promised, too, that when it was all over and he could at last return to his native land, he would commission a golden icon from a well-known artist who lived in a monastery in Novosibirsk.

At three in the morning, the bar of the Hotel Martinez smells of cigarettes and sweat. By then, Jimmy (who always wears different coloured shoes) has stopped playing the piano, and the waitress is exhausted, but the people who are still there refuse to leave. They want to stay in that lobby for at least another hour or even all night until something happens!

They’re already four days into the Cannes Film Festival and still nothing has happened. Every guest at every table is interested in but one thing: meeting the people with Power. Pretty women are waiting for a producer to fall in love with them and give them a major role in their next movie. A few actors are talking amongst themselves, laughing and pretending that the whole business is a matter of complete indifference to them – but they always keep one eye on the door.

Someone is about to arrive. Someone must arrive. Young directors, full of ideas and with CVs listing the videos they made at university, and who have read everything ever written about photography and scriptwriting, are hoping for a stroke of luck; perhaps meeting someone just back from a party who is looking for an empty table where he’ll order a coffee and light a cigarette, someone who’s tired of going to the same old places all the time and feels ready for a new adventure.

How naïve!

If that did happen, the last thing such a person would want to hear about is some ‘really fresh angle’ on a hackneyed subject; but despair can deceive the desperate. The people with power who do occasionally enter merely glance around, then go up to their rooms. They’re not worried. They have nothing to fear. The Superclass does not forgive betrayals and they know their limitations – whatever the legend may say, they didn’t get where they are by trampling on others. On the other hand, if there is some important new discovery to be made – be it in the world of cinema, music or fashion – it will emerge only after much research and not in some hotel bar.

The Superclass are now making love to the girl who managed to gatecrash the party and who is game for anything. They’re taking off their make-up, studying the lines on their faces and thinking that it’s time for more plastic surgery. They’re looking at the on-line news to see if the announcement they made earlier that day has been picked up by the media. They’re taking the inevitable sleeping pill and drinking the tea that promises easy weight-loss. They’re ticking the boxes on the menu for their room service breakfast and hanging it on the door handle along with the sign saying ‘Do not disturb’. The Superclass are closing their eyes and thinking: ‘I hope I get to sleep quickly. I’ve got a meeting tomorrow at ten.’


Paulo Coelho, The Winner Stands Alone

*****


O Vencedor Está Só: Capítulo I por Paulo Coelho


3:17 AM

 A pistola Beretta Px4 compacta é um pouco maior que um telefone celular, pesando em torno de 700 gramas, e capaz de disparar 10 tiros. Pequena, leve, incapaz de deixar uma marca visível no bolso que a carrega, o pequeno calibre tem uma enorme vantagem; em vez de atravessar o corpo da vítima, a bala vai batendo nos ossos e arrebentando tudo que encontra em sua trajetória.

Evidente que as chances de sobreviver a um tiro desse calibre também são altas; existem milhares de casos em que nenhuma artéria vital é cortada, e a vítima tem tempo de reagir e desarmar seu agressor. Mas se a pessoa que atira tem alguma experiência no assunto, pode escolher entre uma morte rápida — visando a zona entre os olhos, o coração — ou algo mais lento, colocando o cano da arma em determinado ângulo junto das costelas, e apertando o gatilho. Ao ser atingida, a pessoa demora algum tempo para se dar conta de que está ferida de morte — tenta contra-atacar, fugir, pedir socorro. A grande vantagem é essa: tem tempo suficiente para ver quem a está matando, enquanto vai perdendo a força aos poucos, até cair por terra, sem muito sangramento externo, sem entender direito por que aquilo está acontecendo. Está longe de ser uma arma ideal para os entendidos no assunto: “É muito mais adequada para mulheres que para espiões”, diz alguém do serviço secreto inglês para James Bond no primeiro filme da série, enquanto lhe confisca a antiga pistola, entregando um novo modelo. Mas isso servia apenas para os profissionais, claro, porque para o que ele pretendia não havia nada melhor. Comprou sua Beretta no mercado negro, de modo que será impossível identificar a arma. Tem cinco balas no carregador, embora pretenda utilizar apenas uma, em cuja ponta fez um “X” usando uma lima de unha. Desta maneira, quando for disparada e atingir algo sólido, irá se partir em quatro fragmentos.

Mas usará a Beretta apenas em último caso. Tem outros métodos para apagar um mundo, destruir um universo, e com toda certeza ela vai entender o recado assim que a primeira vítima for encontrada. Saberá que fez aquilo em nome do amor, que não tem nenhum ressentimento, e que a aceitará de volta sem perguntas sobre o que aconteceu nos últimos dois anos.

Espera que seis meses de cuidadoso planejamento dêem resultado, mas só vai ter certeza disso a partir da manhã seguinte. Esse é seu plano: deixar que as Fúrias, antigas figuras da mitologia grega, desçam com suas asas negras até aquela paisagem branca e azul, cercada de diamantes, botox, carros de alta velocidade que são absolutamente inúteis porque não comportam mais de dois passageiros. Sonhos de poder, de sucesso, de fama e dinheiro — tudo isso pode ser interrompido de uma hora para outra com os pequenos artefatos que trouxe consigo.

Poderia já ter subido para o seu quarto, porque a cena que aguardava aconteceu às 11:11 PM, embora ele estivesse preparado para esperar mais tempo. O homem entrou acompanhado da bela mulher, ambos vestidos com traje a rigor, para mais uma dessas festas de gala realizadas todas as noites depois dos jantares importantes, mais concorridas do que a estréia de qualquer filme apresentado no Festival.

Igor ignorou a mulher. Usou uma das mãos para trazer até o rosto um jornal francês (a revista russa iria despertar suspeitas), de modo que ela não pudesse vê-lo. Era uma precaução desnecessária: ela jamais olhava à sua volta, como sempre fazem as que se sentem rainhas do mundo. Estão ali para brilhar, evitam prestar atenção ao que os outros estão usando — porque dependendo do número de diamantes e da exclusividade da roupa alheia isso resultará em depressão, mau-humor, sentimento de inferioridade, mesmo que a roupa e os acessórios tenham custado uma fortuna.

Seu acompanhante, bem vestido e de cabelos prateados, foi até o bar e pediu champagne, aperitivo necessário antes de uma noite que promete muitos contatos, boa música, e excelente visão da praia e dos iates ancorados no porto.

Viu que tratou a garçonete com respeito. Disse “obrigado” quando recebeu as taças. Deixou uma boa gorjeta.

Os três se conheciam. Igor sentiu uma imensa alegria, quando a adrenalina começou a misturar-se com seu sangue; no dia seguinte iria fazer com que ela soubesse de sua presença ali. Em um dado momento, iriam se encontrar.

E só Deus sabia o resultado deste encontro. Igor, um católico ortodoxo, havia feito uma promessa e um juramento em uma igreja em Moscou, diante das relíquias de Santa Madalena (que estavam na capital russa por uma semana, para que os fiéis pudessem adorá-las). Passou quase cinco horas na fila e ao chegar perto estava convencido de que tudo não passava de uma invenção dos sacerdotes. Mas não queria correr o risco de faltar com a sua palavra. Pediu que o protegesse, que conseguisse atingir seu objetivo sem que fosse necessário muito sacrifício. E prometeu um ícone de ouro, que seria encomendado a um renomado pintor que vivia em um mosteiro de Novosibirsk, quando tudo terminasse e pudesse colocar de novo os pés em sua terra natal.

Às três horas da manhã, o bar do Hotel Martinez cheira a cigarro e suor. Embora Jimmy já tenha acabado de tocar piano (Jimmy usaum sapato de cada cor em seus pés), e a garçonete esteja extremamente cansada, as pessoas que ainda ali se encontram se recusam a ir embora. Para elas, é preciso ficar neste lobby, pelo menos por mais uma hora, pela noite inteira, até que algo aconteça!

Afinal de contas, já se passaram quatro dias desde o início do Festival de Cinema de Cannes, e ainda não aconteceu nada. Em mesas diferentes, o pensamento é o mesmo: encontrar-se com o Poder. As mulheres bonitas aguardam um produtor que se apaixone por elas e lhes dê um papel importante no próximo filme. Ali estão alguns atores conversando entre si, rindo e fingindo que nada daquilo lhes diz respeito, mas sempre com um olho na porta.

Alguém vai chegar. Alguém precisa chegar. Os novos diretores, cheios de ideias na cabeça, currículos com vídeos universitários, leituras exaustivas de teses sobre fotografia e roteiro, esperam um golpe de sorte; alguém que ao voltar de uma festa procure uma mesa vazia, peça um café, acenda um cigarro, sinta-se exausto de ir sempre aos mesmos lugares, e esteja aberto para uma aventura nova.

Quanta ingenuidade.

Se isso acontecesse, a última coisa que tal pessoa gostaria de escutar é um novo “projeto que ainda ninguém fez”; mas o desespero é capaz de enganar o desesperado. Os poderosos que entram de vez em quando dão apenas uma olhada em torno, e sobem para seus quartos. Não estão preocupados. Sabem que não precisam temer nada. A Superclasse não perdoa traições, e todos conhecem os seus limites — não chegaram aonde estão pisando a cabeça dos outros,embora isso seja o que diz a lenda. Por outro lado, se alguma coisa imprevista e importante estiver esperando para ser descoberta — seja no mundo do cinema, da música, da moda — isso virá através das pesquisas, e não dos bares de hotel.

A Superclasse está agora fazendo amor com a moça que conseguiu penetrar na festa e aceita tudo. Tirando a maquiagem, olhando as rugas, pensando que já é hora de uma nova cirurgia plástica. Procurando nas notícias online o que saiu sobre o recente anúncio que fez durante o dia. Tomando a inevitável pílula para dormir, e o chá que promete emagrecimento sem muito esforço. Preenchendo o menu com os itens desejados para o café-da-manhã no quarto, e o colocando na maçaneta da porta, junto com o papel de “Não perturbar”. A Superclasse está fechando os olhos e pensando: “Espero que o sono venha logo, amanhã tenho um encontro marcado antes das dez horas.