quarta-feira, 4 de julho de 2012


Paul Kelley



Em cada página, o teu olhar, em cada montanha,
a tua voz, deixa-me falar contigo. Lembro-me
tão bem de tudo o que me disseste.

as palavras existem. Eu quero encontrar-te
sempre, em cada noite, sobre a mesa de papéis
desarrumados onde desarrumo a nossa vida.

em cada página, os campos. Em cada montanha,
tu a chamares-me. As páginas são, outra vez,
o dia em que nasci. Lembro-me tão bem de tudo.

passam anos sobre as palavras. Os dias existem.
Seguro os livros como se segurasse a tua voz
e, quando alguém diz o teu nome, eu continuo a responder.


José Luis Peixoto