terça-feira, 14 de agosto de 2012

Sonnet 61

Giovani Ricciardi


Is it thy will thy image should keep open
My heavy eyelids to the weary night?
Dost thou desire my slumbers should be broken
While shadows like to thee do mock my sight?
Is it thy spirit that thou send'st from thee
So far from home into my deeds to pry,
To find out shames and idle hours in me,
The scope and tenure of thy jealousy?
O, no, thy love, though much, is not so great;
It is my love that keeps mine eye awake,
Mine own true love that doth my rest defeat,
To play the watchman ever for thy sake.
For thee watch I whilst thou dost wake elsewhere,
From me far off, with others all too near.


***


Será esta tua vontade, que tua imagem mantenhas abertas
Minhas pesadas pálpebras na noite fatigada?
Queira tu, que meus descansos sejam alquebrados
Enquanto que sombras, que contigo se assemelham, zombam de minha visão?
Será o teu espírito que envia deste ti
Tão longe da tua casa, para minhas ações espionares;
Para descobrir vergonhas e horas ociosas em mim
A amplidão e tendência de teus ciúmes?
Ah não, o teu amor, apesar de grande, tão grande não é;
É o meu próprio amor que mantém o meu olho desperto;
É o meu próprio verdadeiro amor que derrota o meu descanso
Fazendo-o vigia sempre por ti;
Por ti eu velo, enquanto tu acordas alhures;
De mim tão longe, de outros tão perto



William Shakespeare