segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Cilada




Quando o dia amanhece
Preguiçoso, sem pressa,
É meu coração que se apressa
Com a simples lembrança tua.
Quem sabe não sonhas comigo,
Não me desejas
Nesse sono que nunca chega?!
Quem sabe, dormindo,
Teus lábios não sorriem
Cheios de mistério?
Quem sabe teu rosto iluminado
Não me procura ao teu lado
E num gesto impensado
Não beijas o travesseiro?!
Ah!...
O dia chega de mansinho
E encontrastes no meu peito um ninho
Onde se repousar,
Me confortar...
Ah!...
Sou eu quem sorrio
Pro nada!...
A vida me pregou uma peça!...
E amo estar nessa cilada
E na madrugada calada
Sonhar que estás comigo
E me surpreender,
Quando me refaço,
De ter um travsseiro entre os braços!...


Letícia Thompson