sábado, 6 de outubro de 2012

Arco-Íris: 2- Azul

boris geer


Primavera. 
Um pedaço de céu caiu na terra: 
em tufos fofos de flocos frouxos frívolas hortênsias 
volantes como crinolinas fúteis 
desmancham-se em reverências 
ou passeiam como sombrinhas lindamente inúteis 
ou pousam empoadas de ar como pompons. O céu 
é um grande linho muito passado no anil 
que o vento enfuna num varal de vidro. Ele é o 
toldo azul de um bazar 
onde brinca vestido de ar 
um clown elástico, ágil e sutil. 


Guilherme de Almeida