sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Pássaros




Há uma companhia que não aceito:
a dos pássaros engaiolados.

Gosto do rumor que fazem nos galhos
ao entardecer,
de seus cantos isolados que nunca poderemos saber
se serão reproduzidos
ou se partirão para sempre, com o vôo ignorado.

Gosto dos pássaros, eles são como as águas para a terra
semeiam cantos e mistérios
fecundam o céu de música.

Mas quero vê-los livres, como as nuvens nômades
como as correntes encachoeiradas.
Nas gaiolas seus cantos são lamentos aos meus ouvidos
e eu me sinto como um carcereiro num momento lúcido,
sem alegria.



 JG de Araújo Jorge