quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Carlos Tavares

Há pessoas que perdem os óculos
o emprego, o ônibus, o fígado
rompem contratos, noivados
perdem a estreia do teatro
há pessoas que perdem a viagem, os amigos
rompem o nervo ciático
perdem cabeça, a deixa, a memória
faturam cachês minguados
                                          há pessoas que perdem dinheiro, fazenda, anéis
a missa das seis
rompem a noite atrás de moteis, de mulheres
que perdem o vestido, a calcinha, o pudor
há pessoas que perdem o valor, o isqueiro
perdem o lugar, o sono, o poder
corrompem o amor, perdem sua vez
há mães que perdem seus filhos
então não há mais nada a perder

Martha Medeiros